OTT no Brasil

Publicado: 1 Jun 2015

Última Atualização: 1 Jun 2015

A cada ano, um número crescente de consumidores brasileiros demonstra interesse na assinatura de serviços de distribuição de conteúdo digital. Nesse artigo vamos listar os maiores serviços OTT no Brasil.

Consumo de Conteúdo OTT

O mercado de serviços de distribuição de conteúdo Over The Top na América Latina deverá expandir mais de 290% entre 2014 e 2018, de acordo com pesquisa da empresa de pesquisa de mercado Dataxis. O rápido crescimento dessas plataformas deve ser liderado por mercados como o Brasil, onde serviços OTT lançados durante os últimos anos tiveram ampla adoção e alto engajamento por parte do público.

Em termos de números, o serviço Netflix ganhou cerca de 1,2 milhões de assinantes no Brasil durante os primeiros dois anos desde sua chegada no país. De acordo com dados do terceiro trimestre de 2014 da Emarketer, o serviço mantém a liderança no segmento de OTT na América Latina, com cerca de 5 milhões de assinantes na região.

Consumidores brasileiros como um todo têm demonstrado um alto engajamento com conteúdo distribuído por plataformas digitais nos últimos anos. Em 2013, as horas de pico de tráfego na internet registradas no país mudaram das tardes para as noites, um sinal do aumento no consumo de conteúdo de entretenimento online.

Conforme serviços OTT expandem no Brasil, a assinatura de TV paga demonstra adoção menor, de acordo com estatísticas recentes. Dados da Anatel revelam que de dezembro de 2014 a março de 2015 o número de assinantes de TV paga no país aumentou 0,9%. Ao mesmo tempo, uma pesquisa da empresa de serviços de tecnologia e consultoria Accenture publicada em maio de 2015 descobriu que 48% dos brasileiros estavam interessados em acessar múltiplos tipos de conteúdos através de suas TV’s.

Ainda distante do fenômeno de cord-cutting, que ocorre em países como os Estados Unidos, a expansão de conexões de banda larga no Brasil deve promover, no futuro próximo, a adoção de serviços OTT como um dos principais meios de consumo de conteúdo de entretenimento.

Serviços OTT e VOD no Brasil

Alguns dos serviços líderes do setor de OTT no mundo se instalaram no Brasil, enquanto outros, como Hulu e Amazon Instant Video, não expandiram para o país.

Netflix

O gigante de streaming Neflix chegou ao Brasil em 2011 e atualmente tem uma base de aproximadamente dois milhões de usuários. O serviço é oferecido ao preço competitivo de R$ 17,90 por mês, o que representa em torno de US$ 7.

Ainda que o catálogo de filmes e séries disponibilizado no país seja mais limitado do que o oferecido em territórios como os Estados Unidos, o Netflix oferece uma grande quantidade de conteúdo produzido localmente, que incluem shows de comédia, filmes e séries de TV, e vídeos musicais para crianças.

Google Play e iTunes

A plataforma de distribuição de conteúdo iTunes, da Apple, chegou ao Brasil no fim de 2011 enquanto o competidor Google Play lançou sua loja de conteúdo em vídeo no país no ano seguinte. Ambas plataformas oferecem aluguel de filmes, com preços que variam de R$ 3 a R$ 7, além de vendas de filmes por preços que variam de R$ 20 a R$ 50. Nenhuma delas oferece séries de TV no Brasil, de modo que o conteúdo disponibilizado é limitado a filmes licenciados de distribuidoras nacionais e internacionais.

Crunchy Roll

O serviço de streaming de video Crunchy Roll, focado em animes e séries de TV live-action japoneses, chegou ao Brasil em 2012 oferecendo um grande número de séries e incluindo o streaming de conteúdo em tempo real pouco depois de sua exibição no Japão. A plataforma oferece conteúdo gratuito em definição 480p com anúncios além de conteúdo em alta definição e livre de anúncios com mensalidade de US$ 5.

Looke

A plataforma de video Looke, que pertence a rede de livrarias Saraiva, foi recentemente lançada no país. O serviço oferece aluguel de filmes e episódios de séries por preços próximos a R$ 7, compra de filmes e temporadas de séries por até R$ 45, e também livre acesso a um acervo selecionado por uma mensalidade de R$ 14,90.

Crackle

O serviço OTT Crackle, plataforma de video oferecida sem custos e monetizada por anúncios, chegou ao Brasil em 2012. Atualmente oferece filmes e séries de TV com legendas e dublagem em português, alguns dos quais exclusivos para a plataforma.

Outros Serviços OTT

A NetMovies, plataforma brasileira que mudou seu modelo de negócios nos últimos anos, oferece streaming de seu catálogo de filmes por R$ 18,90 mensais. Outras ofertas de OTT nacionais incluem o portal Esporte Interativo Plus, uma plataforma de vídeo focada em streaming de conteúdo relacionado a esportes, ao preço de R$ 14,90 por mês.

Serviços estrangeiros como a WWE Network passaram recentemente a oferecer aos consumidores brasileiros acesso ao seu conteúdo, ainda que seus portais não estejam traduzidos para o português. As redes de jogos da Sony e Microsoft também lançaram serviços de aluguel e compra de filmes para o público brasileiro nos últimos anos, porém não há conteúdo local em suas plataformas e opções de idiomas são limitadas a legendas em português.

Oferta de Video on demand

Uma estratégia adotada por algumas das maiores programadoras de TV no Brasil para competir com serviços OTT é a oferta de plataformas de streaming no modelo TV Everywhere, com conteúdo gratuito e restrito aos assinantes de seus pacotes de canais oferecidos pelas operadoras de TV paga no país. Esse é o caso de alguns dos canais mais populares da gigante de programação Globosat e das empresas estrangeiras FOX e HBO.

Operadoras de telecomunicações, como Vivo, Claro, Net, GVT, Oi, além da operadora de TV paga Sky também lançaram suas plataformas próprias de video on-demand, num esforço de manter sua relevância no segmento de streaming de conteúdo, além de capitalizar seus investimentos em infraestrutura instalada.

Obtenha Auxílio em Entretenimento agora

O Tech in Brazil possui ótimos parceiros que podem te prestar auxílio. Preenchendo o formulário abaixo você receberá uma recomendação por e-mail de uma empresa que poderá melhor te atender. Este serviço é gratuito para leitores do Tech in Brazil.


Autor do Artigo

Marcelo Teixeira

Marcelo Teixeira