Fabricantes de Semicondutores no Brasil

Publicado: 27 Jul 2015

Última Atualização: 27 Jul 2015

Nos últimos anos, a indústria de tecnologia no Brasil vem tentando instalar uma fábrica de semicondutores que opere em escala comercial, mas até o momento apenas algumas obtiveram sucesso. Neste artigo, mostraremos quais são os fabricantes de semicondutores no Brasil.

Planos para implementar uma grande empresa de semicondutores no Brasil começaram no início dos anos 2000, quando era esperado trazer investidores japoneses ao país com a definição do padrão para TV Digital. Posteriormente as empresas desistiram da decisão de continuar com as negociações. Ao longo dos anos seguintes, a indústria brasileira de tecnologia foi tomada por rumores de novos projetos para a produção de semicondutores. Nas décadas de 1970 e 1980, o país já teve algumas fábricas deste tipo, que utilizavam a tecnologia da época, mas foram desativadas no início da década de 1990.

O governo brasileiro ainda realiza grandes investimentos na área, visando chamar a atenção das empresas para investir na produção de semicondutores no país. Tais empresas já possuem isenção de todos os impostos federais, como o PIS, COFINS e ISS, e em alguns estados como o Rio de Janeiro e São Paulo, um desconto em impostos municipais também é oferecido. O Brasil investe 1,4% do seu PIB no setor de tecnologia, ciência e inovação, dos quais 0,54% provem de investimento privado. O mercado de semicondutores no Brasil lucra em torno de R$ 1 bilhão.

A indústria de eletrônicos no Brasil utiliza componentes que são importados, que tendem a aumentar o preço para os consumidores e tornar o país mais dependente da tecnologia de outros. O Brasil gasta em torno de US$ 6 bilhões ao ano com a importação de semicondutores. Uma vez que ainda há incerteza neste mercado no Brasil, empresas tendem a ser cautelosas antes de iniciar um empreendimento, que tendem a custar inicialmente em torno de R$ 4 bilhões. Também é apontado por especialistas que, para implementar tal instalação com sucesso, são necessários investimentos em educação e na preparação de profissionais para trabalhar nesta área. O Brasil já possui centros trabalhando no desenvolvimento de semicondutores, que são fabricados no exterior ou nas fábricas locais existentes.

Principais fabricantes no Brasil

Atualmente, existem alguns participantes fabricando semicondutores no Brasil, mas que ainda estão longe de representar um impacto significante na indústria. Espera-se que um empreendimento recente possa diminuir a dependência do Brasil em componentes importados. O processo de fabricação no país ainda utiliza tecnologias mais antigas, com chips sendo produzidos em um processo de 600 nanômetros, se comparado com os demais que possuem a capacidade de fabricar com um processo de 10 nanômetros.

HT Micron

Fundada em 2014, as instalações da HT Micron foram construídas como parte de uma joint-venture com a Hana Micron, uma empresa sul-coreana, e pelo grupo Parit Participações em Inovação e Tecnologia S/A. A fábrica é especializada na fabricação, desenvolvimento e teste de componentes semicondutores.

A HT Micron fabrica:

  • Smart cards
  • DRAM
  • Memória NAND para cartões Micro SD, pen drives e drives SSD
  • MCP, ou Multi-chip package, que são circuitos integrados para celulares

Localizada na cidade de São Leopoldo, dentro da Universidade Vale do Rio dos Sinos, que é uma parceira na implementação de infraestrutura, a empresa teve investimento inicial de R$ 110 milhões, com mais R$ 260 milhões que serão investidos durante os anos seguintes de operação. A fábrica deve ser capaz de produzir 360 milhões de chips por ano em sua capacidade máxima.

Ceitec

A Ceitec é uma organização governamental ligada ao Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação focada no desenvolvimento e produção de circuitos integrados para RFID e outras aplicações específicas. Localizada na cidade de Porto Alegre, a empresa também possui centros de desenvolvimento. Criada em 2009, a Ceitec tinha o propósito de inserir o país no mercado global de microeletrônicos, e atualmente é capaz de produzir em torno de 70 milhões de chips por ano.

A Ceitec fabrica sensores específicos para o uso comercial em larga escala como chips para controle de gado e rastreamento de produtos. O projeto também pesquisa chips semicondutores para gerenciamento de tráfego, passaportes, identidades e moduladores de TV Digital.

Unitec

Anteriormente conhecida como SIX Semicondutores S.A., a Unitec é a primeira fábrica privada de semicondutores no hemisfério Sul a atuar em todo o processo de fabricação. A Fábrica fica localizada na cidade de Ribeirão Neves, e é estimado um investimento no projeto de R$ 1 bilhão. Espera-se que suas operações comecem no segundo semestre de 2015. A Unitec será capaz de produzir semicondutores utilizando processos entes 130 e 90 nanômetros.

Os primeiros produtos fabricados serão smart cards para bancos, operadoras de celular e empresas de transporte público, com capacidade de 360 wafers por dia. A Unitec atenderá setores específicos de mercado com circuitos integrados personalizados em parceria com a empresa global IBM.

SMART Modular Technologies

Localizada na cidade de Atibaia, a empresa norte-americana está em operação no Brasil desde 2005, investindo amplamente no mercado de semicondutores. A fábrica trabalha no back-end do processo de produção, operando com o encapsulamento de semicondutores e montagem de memória. O foco da empresa é o mercado de microcomputadores, servidores, dispositivos móveis e equipamentos de mídia ótica.

Atualmente, a SMART fabrica os seguintes componentes:

  • Drives SSD
  • Módulos de memória para dispositivos móveis, como eSSD, MCP e iNAND
  • Circuitos integrados para memórias Flash e DRAM
  • Encapsulamento e testes de semicondutores

Obtenha Auxílio em Eletrônicos agora

O Tech in Brazil possui ótimos parceiros que podem te prestar auxílio. Preenchendo o formulário abaixo você receberá uma recomendação por e-mail de uma empresa que poderá melhor te atender. Este serviço é gratuito para leitores do Tech in Brazil.


Autor do Artigo

Lucas Boechat

Lucas Boechat